5 de janeiro de 2015

Louder Than Words - Official Music Video





Louder Than Words, canção do novo disco do Pink Floyd e também a única que com letra. Sobre o vídeo clipe, adorei como tenho adorado tudo que faz parte dessa incrível banda, achei interessante as imagens do clipe, pesquisei para sabe de qual lugar as imagens pertenciam e descobrir que fica em Cazaquistão, mostrando os resquícios do Mar de Aral (na fronteira entre Cazaquistão e Uzbequistão).  Admito que fique intrigado com as imagens, pois mostram barcos de pesca industrial abandonados em meio a um deserto de sal, então fui procurar na internet para sabe o que ocorreu. Segundo Wikipedia (site que não confio muito, mais pelas referências citadas e pelo vasto material escrito, gostei, tem muita informação) a situação atual é a seguinte:


A superfície do mar de Aral já reduziu em 60% do seu tamanho original e em cerca de 80% do seu volume. O mar de Aral em 1960 era o quarto maior lago do mundo, com uma área aproximada de 68 000 km ², e um volume de 1 100 km ³. Em 1998, caiu para 28 687 km ², ficando em oitava posição. Durante o mesmo período, a salinidade do mar aumentou cerca de 10 g/l para cerca de 45 g/l, lembrando que a salinidade média dos mares do mundo é de 35 g/l.
Em 1987 a redução gradual dos níveis de água acabou dividindo o lago em dois volumes separados de água, ao norte do mar de Aral e ao sul do mar de Aral, o último, por sua vez, dividido na zona central e na porção ocidental. Embora um canal tenha sido construído para ligar o norte e o sul, a conexão foi perdida em 1999 devido à queda cada vez mais acentuada do nível das águas.
No entanto, foram feitas obras para preservar o norte do mar de Aral, incluindo-se a construção de barragens para garantir a preservação de um fluxo constante de água doce. Em outubro de 2003, o governo do Cazaquistão anunciou um plano para construir uma barragem de concreto, a barragem Kokaral chamado para separar as duas metades do mar de Aral, de modo que pudesse aumentar o nível de água nesse pedaço de terra original e reduzir os níveis de salinidade, o objetivo foi alcançado em 2007. Por razões econômicas, o sul do mar de Aral foi abandonado a sua sorte. Em sua agonia, está deixando enormes planícies de sal, que produzem tempestades de areia, que chegam a lugares distantes como o Paquistão e o Ártico,e fazem os invernos mais frios e os verões mais quentes. Uma das tentativas para atenuar esses efeitos é a plantação de vegetação no fundo do mar antigo, a terra agora.
No verão de 2003 o sul do mar de Aral estava desaparecendo mais rápido do que o previsto. A superfície está apenas 30,5 metros acima do nível do mar (3,5 metros menor do que planejado no início dos anos 90), e a água tem uma salinidade 2,4 vezes maior do que o oceano. Nas partes mais profundas do mar, as águas mais baixas tem maior concentração de sal do que as águas superficiais, formando dois tipos de água que não se misturam uns com os outros. Portanto, apenas o aquecimento da superfície do mar no verão e se evapora mais rapidamente do que o esperado. 
O ecossistema do mar de Aral e dos deltas dos rios que desaguam nele está praticamente destruído, em grande parte pela alta salinidade. Além da terra em torno do mar ser muito poluída, as pessoas que vivem na região sofrem de escassez de água doce, juntamente com vários problemas de saúde. A contração do mar fez extensas planícies cobertas com sal e produtos químicos tóxicos, que são levadas pelo vento para as áreas habitadas. A população perto do mar de Aral tem uma alta incidência de certas formas de câncer e doenças pulmonares, entre outras doenças, possivelmente devido a alterações no DNA. Culturas tradicionais também estão sendo destruídas por depósitos de sal na terra. A cidade de Moynaq no Uzbequistão no passado foi um movimentado porto da indústria pesqueira que empregava cerca de 60.000 pessoas. Hoje a cidade está longe muitas milhas da costa nova. Os barcos de pesca estão encalhados em terra nas planícies que foram outrora o fundo do mar. Muitos desses barcos estão abandonados há mais de vinte anos. A única empresa pesqueira que continua na região se encarrega de importar peixes do oceano Pacífico, a milhares de quilômetros.
Leia mais sobre o assunto: wikipedia.org